zissouani.gif

Contabilidade, 2012

Entreguei 36 traduções em 2012.

Doze álbuns para a Panini, 11 para a Companhia das Letrinhas, 3 para a Quadrinhos na Cia. (mais 2 a completar em 2013), 4 para a Jogo da Amarelinha, 3 para a Globo e 2 para a Rocco. Mais 20 histórias da Vertigo.

Oito livros de prosa, 18 "graphic novels", 12 mais "gibis" e 10 livrinhos ilustrados.

As que tomaram mais tempo: Superdeuses, iniciada ainda em 2011 e entregue no início do ano; Will Eisner: A Dreamer's Life in Comics, também iniciada em 2011 (vai sair pela Globo); e Metamaus, que é uma mistura de textos de vários estilos (levei quatro meses, vai sair pela Quadrinhos na Cia.).

Tomaram menos tempo, mas foram igualmente trabalhosas: Habibi (comentei aqui), Ciência em Versos (um poeminha por dia), Luz e Sombra (dois amigos ajudaram com a parte técnica), a enormidade de referências em Orquídea Negra e em outro do Neil Gaiman, 13 Words (sem pé nem cabeça) e a linguagem complicada dos dois do William Joyce. Ah, e também fiz um guia de viagens (colaboração com o Marcelo).

Só 14 das 36 traduções saíram ainda em 2012. As outras ficam para este ano, provavelmente. Saíram outras 24 traduções que fiz em 2011 - Entre elas: Wilson, Casanova, Contos de Lugares Distantes (ainda é meu preferido), Por Isso a Gente Acabou, meus dois primeiros Y: O Último Homem (os três restantes foram traduzidos e saíram este ano).

Escrevi 719 notícias para o Omelete (minha preferida de 2012). Dá 3 para cada dia útil. Teve mais 51 colunas Semana Lá Fora, 6 resenhas e 2 entrevistas (uma com o Dan Clowes).

Escrevi 22 colunas para o Blog da Companhia. Também escrevi um texto para o blog da Cosac Naify (sobre Contos de Lugares Distantes).

Cadastrei 454 coisas novas no LibraryThing. Com certeza não li nem 1/4.

Tive só uma disciplina na universidade, no primeiro semestre (e mais uma na pós-graduação, curtinha, no segundo semestre). Passei o segundo semestre de licença, vivendo apenas como tradutor/jornalista free-lancer.

Escrevo isto só no fim de janeiro porque o final de ano teve complicações. Mas já entreguei outras 4 traduções nesse meio tempo, e estou iniciado em outras 4. Maior e mais trabalhosa do ano até agora: Are You My Mother, para a Quadrinhos na Cia.

Vai ser um ano legal. Figuinhas.

Departamento de Aquisições / junho

Departamento de Aquisições / maio

Departamento de Aquisições / abril

Sendak

Eu fiz alguns livros muito bons, e no geral esse é um jeito isolacionista de se viver - produzir livros, criar imagens. E essa é a única felicidade genuína que eu tive em toda, toda a minha vida. Entrar no meu escritório e criar desenhos é algo sublime. É um momento mágico em que todas suas fraquezas de caráter, todos os defeitos de personalidade e tudo mais que lhe atormenta simplesmente some, perde a importância.

Você começa a fazer aquilo que quer e faz direito, pois sabe que está fazendo direito, e isso lhe deixa feliz. A única promessa é cumprir o serviço, sentar na prancheta, ligar o rádio. E eu penso: "que vida transcendente: eu faço o que quero."

É nestes momentos que me sinto um homem de sorte. Estou fazendo de tudo para me concentrar no que está aqui, no que vejo, no que cheiro, no que sinto - tento tornar isto o mais importante na minha vida. Só de olhar pela janela, as cores que eu vejo, passar uma hora lendo Charles Dickens à noite, meus pequenos rituais ouvindo Mozart. No que eu tenho trabalhado? Estou aprendendo a não me levar tão a sério. No que eu gostaria de trabalhar? Nada que vá abalar o mundo. Não tenho essa importância toda.

O que quero dizer com isto? Estou apenas preparando o terreno para uma morte tranquila. Quando você encerrou seu trabalho, encerrou a vida. Sua vida é seu trabalho.

Acho que as coisas que eu publiquei foram diferentes. Não por eu desenhar melhor que alguém, ou escrever melhor que alguém, mas porque fui mais sincero que os outros. E ao discutir as crianças, e as vidas das crianças, e as fantasias das crianças e a linguagem das crianças, eu disse tudo que queria, pois não acredito em crianças. Não acredito em infância. Não acredito que exista demarcação "para eles você não pode contar isso, para eles você não pode contar aquilo." Você conta o que quiser. Mas só conte a verdade. Se for verdade, pode contar.

Na minha mente, tenho pensamentos e experiências de um adulto, mas nunca vou falar delas. Nunca vou escrever sobre isto. Por que me agarrei à infância? Não sei. Não sei. Deve ser onde meu coração está.

Maurice Sendak (1928-2012). Original aqui.

Mas vou lembrar dele para sempre na entrevista ao Colbert:

Departamento de Aquisições / março

Neurosciência literária

EM MEIO AOS bipes e cliques dos aparelhos digitais, pode ser que as virtudes antiquadas da literatura tenham perdido importância, ou mesmo tornado-se fúteis. Mas a literatura pode ganhar um novo reforço a seu valor, de uma aliada inesperada: a neurosciência.

Exames neurológicos têm relevado o que acontece na nossa cabeça ao lermos uma descrição detalhada, um metáfora pregnante, um diálogo emotivo. Histórias, demonstram pesquisas, estimulam o cérebro e transformam as nossas atitudes.

Os cientistas sabem há muito tempo que as áreas "clássicas" da linguagem, como a Área de Broca e a Área de Wernicke, envolvem-se na atividade do cérebro de interpretar palavras escritas. Nos últimos anos, o que os cientistas vêm percebendo é que as narrativas ativam igualmente diversas outras regiões do cérebro, o que ajuda a explicar porque a experiência da leitura pode ser tão viva. Palavras como "alfazema", "canela" e "sabonete", por exemplo, provocam reações não apenas nas regiões do cérebro que processam a linguagem, mas também naquelas que lidam somente com cheiros.

Em um estudo de 2006 publicado no jornal NeuroImage, cientistas espanhóis pediram aos participantes que lessem palavras com forte associação a odores junto a palavras neutras, enquanto o cérebro deles era examinado através de um aparelho de ressonância magnética. Quando os sujeitos viram as palavras em espanhol para "perfume" e "café", seus córtex olfatórios primários acenderam; quando viram palavras como"cadeira" e "chave", a região ficou apagada.

A forma como o cérebro lida com as metáforas também foi estudada minuciosamente; alguns cientistas defendem que figuras de linguagem como "que dia duro" são tão comuns que o cérebro trata apenas como palavras e nada mais. No mês passado, porém, uma equipe de pesquisadores da Emory Univeristy relatou na revista Brain & Language que quando seus sujeitos pesquisados leem uma metáfora que envolve textura, o córtex sensorial, responsável pela percepção de textura pelo tato, fica ativo. Metáforas como "o cantor tinha voz aveludada" e "as mãos dele pareciam couro" excitavam o córtex sensorial, enquanto frases de significado idêntico, como "o cantor tinha uma voz agradável" e "ele tinha mãos fortes", não.

Cientistas também descobriram que palavras que descrevem movimento também estimulam regiões do cérebro que não as áreas de processamento da linguagem. Em estudo comandado pela cientista cognitiva Véronique Boulenger, do Laboratório de Dinâmicas de Linguagem na França, os cérebros dos participantes foram examinados enquanto liam frases como "João pegou o objeto" e "Pablo chutou a bola". Os exames revelaram atividade no córtex motor, que coordena os movimentos do corpo. Mais que isso: a atividade estava concentrada numa região determinada do córtex motor quando o movimento descrito era relativo ao braço, e em outra região quando o movimento era relativo à perna.

O cérebro aparentemente não faz muita distinção entre a leitura de uma experiência e encontrá-la na vida real; nos dois casos, há estímulo às mesmas regiões cerebrais. Keith Oatley, professor de psicologia cognitiva da University of Toronto (e romancista), propôs que a leitura produz uma simulação vívida da realidade, que "roda nas mentes dos leitores assim como os simuladores rodam nos computadores". A literatura - com seus detalhes fragrantes, metáforas criativas e descrições minuciosas de personagens e suas atitudes - oferece uma réplica especialmente rica. Em pelo menos um aspecto, os livros de ficção vão além da simulação da realidade e dão aos leitores uma experiência que não se encontra fora da página: a oportunidade de entrar por completo nos pensamentos e sentimentos de outro...

Mais aqui.

Departamento de Aquisições / janeiro

Departamento de Aquisições / dezembro

Traduzi em 2011

Ou melhor, o que eu tive de traduções publicadas em 2011. Entreguei a maioria dos títulos abaixo em 2010, alguns até em 2009:


O que eu efetivamente traduzi em 2011, e que em grande parte vai ser publicado em 2012, foi:

- três graphic novels (Wilson e Forget Sorrow, ambas para a Quadrinhos na Cia., e a adaptação para os quadrinhos de Crônicas Marcianas)
- sete coletâneas de quadrinhos pra Panini (Y: O Último Homem 6 e 7, que já saíram, mais três do Brian Wood, uma do Mike Carey e uma do Matt Fraction), mais extras para outras três (incluindo os longo extras de Sandman Edição Definitiva vol. 3)
- nove infantis (Olavo Holofote e Quero um Bicho de Estimação já saíram, o terceiro Na Casa do Leo também; falta o quarto do Leo, dois da Toon Books, The Composer is Dead, Man in the Moon e Azzy)
- cinco livros de ficção infanto-juvenil (Nathan Abercrombie: Zumbi por Acidente 1 e 2, Wereworld 1 e 2, Why We Broke Up)
- seis adaptações de Shakespeare (duas para quadrinhos, quatro para livros infantis)
- 12 histórias de Vampiro Americano e 11 de Casa dos Mistérios para a revista Vertigo
- um não-ficção (Supergods)
- um livro de contos (que foi o mais legal de todos, mas a editora ainda não quer falar)

Tinha planos megalomaníacos de fechar 100 títulos traduzidos publicados em 2011, mas não cheguei lá. Dois mil e doze já começa com uma graphic novel, uma autobiografia, um infantil e uma coletânea.

Departamento de Aquisições / novembro


E abaixo, só o que eu comprei/ganhei no FIQ:

Departamento de Aquisições / outubro

Crumb

"Bom, comparando à antiguidade quando se tinha brutalidades e crueldades e tudo mais, e a gente ainda tem, o que é particularmente detestável no mundo moderno e diferente do passado é que conseguiram criar uma forma muito esperta de manipular nossa percepção, de persuadir, de nos fazer de trouxas, que acabou ficando imensa e bem desenvolvida. Milhões de pessoas ganham a vida nessa mega-malandragem, na venda de coisas e ideias - ficaram muito bons nisso. Isso é detestável, desprezível, e ficar alerta demanda todo seu tempo. Você está sempre sendo bombardeado pelas propostas de vendas - sempre. Isso, pra mim, é o mais odioso. E é uma dessas coisas tipo banalidade do mal, a maioria das pessoas que trabalha nisso nem têm ideia de que se envolveram numa coisa que pode ser prejudicial, maldosa."

Trecho de loooonga entrevista com o Crumb.

Departamento de Aquisições / setembro

Morrison e as suas crianças

Já aceitamos que, no fim das contas, todo político será revelado mentiroso, tarado ou imbecil, assim como já esperamos que a lindíssima supermodelo seja uma infeliz bulímica e neurótica. Já enxergamos além das ilusões que sustentaram nossas fantasias e sabemos por experiência amarga que nosso querido comediante será desmascarado, mais cedo ou mais tarde, como um alcoólatra pervertido ou depressivo suicida. Dizemos às nossas crianças que estão presas que nem ratos num mundo condenado, falido, assolado por criminosos, que os recursos naturais estão acabado, e não há nada mais a esperar fora as águas subirem e a extinção em massa, e aí fazemos olhar de reprovação quando elas respondem se vestindo de preto, se cortando, fazendo greve de fome, se entupindo de porcaria ou se matando.

Grant Morrison, Supergods.

Traduzindo

Um pouco por obrigação, criei o hábito de ir ao correio todas as sextas-feiras para despachar os contratos de tradução. Na semana passada, enviei para três editoras diferentes. Isso merece comemoração (sozinho, na minha cabeça, porque tem deadlines me olhando de todos os lados) e agradecimentos, muitos agradecimentos, a todos envolvidos. Três anos depois, parece que virou uma carreira.

Queria anotar aqui sempre que sai uma nova tradução, mas não dá. A melhor referência continua sendo no link ali à direita: "traduções". Ou aqui.

Por coincidência, tem várias traduções minhas saindo nos últimos dias e nos próximos dias. São estas:


Daytripper, Fábio Moon e Gabriel Bá (Panini)
(no qual minha tradução foi revisadas pelos próprios autores)


Sandman: Os Caçadores de Sonhos, de Neil Gaiman e P. Craig Russell (Panini)


Hellblazer: Origens, vol. 1, de Jamie Delano (Panini)
(traduzi somente os extras)


Y: O Último Homem - Menina com Menina, de Brian K. Vaughan e Pia Guerra (Panini)


Wereworld, Curtis Jobling (Benvirá)


Quero um Bicho de Estimação, Lauren Child (Companhia das Letrinhas)


Na Casa do Leo: Bichos Arrepiantes, Philip Ardagh e Mike Gordon (Companhia das Letrinhas)

Entreguei dois infantis na semana passada, tenho um para entregar nesta, tem o novo Wereworld para entregar início de outubro, mais Y: O Último Homem, as duas séries na Vertigo todo mês e Supergods até o final do ano. Obrigado. Tchau.

Departamento de Aquisições / agosto

Departamento de Aquisições / julho

Bellos

Sonhos acontecem em quadrinhos

Os quadrinhos conseguem representar estados de sonho geralmente melhor do que qualquer outra mídia, na minha opinião. Tem algo neles que parece ser bem afinado para representar esta atividade mental em particular. Talvez seja porque nós sonhamos "em quadrinhos" a maior parte do tempo - a ciência nos diz que o montante de imagens em movimento que vemos nos sonhos é relativamente menor se comparado ao número de imagens paradas que vislumbramos uma após a outra na mente, e que são colocadas numa sequência contínua pela imaginação. As narrativas que criamos sonhando exercitam os mesmos processos mentais que usamos para ler quadrinhos, então talvez não seja surpresa que ver sonhos desenhados em quadrinhos pareça tão normal, tão familiar.

Matt Seneca, aqui.

Departamento de Aquisições / junho

David Bellos

O ofício da tradução baseia-se em dois pressupostos. O primeiro é o que somos todos diferentes: falamos línguas diferentes e vemos o mundo de formas profundamente influenciadas pelas particularidades das línguas que falamos. O segundo é o que somos todos iguais: que temos como compartilhar sensações, compreensões, informação e assim por diante em suas formas amplas ou restritas. Sem estes dois pressupostos, a tradução não existiria. Assim como não existiria tudo aquilo que chamamos de vida em sociedade. Tradução é outro nome para a condição humana.

David Bellos, Is That a Fish in Your Ear?: Translation and the Meaning of Everything.

Departamento de Aquisições / maio

Blackbeard

Havia jornais na garagem, onde as pilhas alcançavam o teto. Havia jornais no quarto. Havia jornais na sala de estar, onde seus passos eram ditados pelas trilhas feitas entre as pilhas tremulantes. Havia jornais na cozinha. Havia jornais em todo lugar, exceto no banheiro, e só porque, dizia o Sr. Blackbeard a quem questionava, a umidade lhes faria mal.

Bill Blackbeard, colecionador de tiras de quadrinhos, morreu em março.

Ela tem as minhas olheiras

Olivia

| 4 Comments

Oi Olivia!

Bem vinda ao mundo! Ou parte dele. Deixe-me mostrar um pouco do que há para ver por aí.

A sua direita (e, pensando bem, em todos os lados) você tem o que você deve chamar imediatamente de GIBI. GI-BI. É muito mais fácil e sonoro que aquela palavra horrível que teu pai quer te ensinar - História em Quadrinhos. Eles vão competir eternamente contigo pela atenção do teu pai mas isso não é um problema, você provavelmente já vai ter lido uma centena antes de sequer aprender a ler e terá pego gosto pela coisa.

Demos sorte, a sua esquerda podemos ver o Érico. Teu pai. Lá nos tempos que ainda éramos somente os filhos dos nossos pais, e não pais dos nossos filhos, ele já era uma fonte inesgotável de cultura pop e apresentou o universo dos gibis (aham) para meia cidade. Sei que ele era meu fornecedor oficial. E até hoje é a pessoa que eu escuto para saber que fração do universo devo ler, ouvir ou ver. Ah, e ele tem uma máquina do tempo. É a única explicação para ele conseguir dar conta da quantidade de coisas que ele acompanha e ainda ter meia dúzia de empregos diferentes.

Chegamos ao seu quarto. Sim, há gibis aí também. Ignore-os. Repare nas cortinas, no bordado das almofadas, no ajuste milimétrico dos quadros na parede. O quarto é seu, mas praticamente define tua mãe. Você já deve ter notado como ela é cuidadosa com detalhes, talentosa a níveis extremos e trabalhadora como poucas pessoas que eu conheço. Falando nela, olhe ela ali, do seu lado, onde sempre vai estar. Além de todas qualidades, ainda é uma das pessoas mais divertidas e bonitas que existem. Ainda lembro da primeira vez que eu a vi. Sabíamos que teu pai estava namorando alguém e, creio que foi em uma das festas de formatura dele, me apontaram - "Aquela é a Marcela", ao que eu respondi que não podia ser, era bonita demais para o Érico. Você vê, não há nada de errado com teu pai, mas eu o conheci quando ele era magérrimo, desengonçado, usava brinco - BRINCO! - e exibia sua tatuagem por aí. Difícil de imaginar? Eu não consigo mais também. Aproveitando que estás com sua mãe, diga que só vais comer fruta se ela comer também. Mas fale isso com a cara mais sapeca que conseguires.

Finalizando o tour, olhe para fora, pela janela. Essa aí é Chapecó. Chapecó fica a cerca de 700km do centro do mundo: Pelotas. Mas não se assuste. Chapecó é uma cidade quase tão boa quanto Pelotas. Teus pais certamente se esforçaram muito para torná-la habitável e ser um lugar que podes chamar de lar com orgulho. Pelo que vi, conseguiram maravilhosamente.

Então esta é uma primeira visão do seu mundo. Por aqui, estamos todos na expectativa de te ver. Literalmente não paramos de olhar o Twitter atrás de novidades e tudo que se fala é sobre que horas vais aparecer. Estamos curiosos para ver quais das qualidades dos teus pais terás herdado, mas o consenso é que qualquer combinação é fantástica. Já estamos treinando a Emilia a pronunciar seu nome e ensiná-la a arrancar páginas de livros e gibis.

Novamente, bem vinda.

Ricardo, o pai da Emilia
P.S. Se você reconhecer o meu nome ao ler isso, é porque Chapecó não se tornou longe demais
P.P.S. Perdi o seu nascimento por que fiquei escrevendo este texto!!

280137311.jpg

Stan Lee x Obama

Em dezembro, numa coletiva de imprensa, Obama falou alguma coisa sobre os Republicanos estarem percebendo que "com maior poder vem maior responsabilidade". Ao ouvir isso, você ficou lisonjeado ou ligou pro seu advogado?

Só não gostei do fato de ele ter feito alterações. Devia ser "com grandes poderes", não "com maior poder". Pensei em escrever pra ele avisando do erro. Se vai citar o Homem-Aranha, que pelo menos acerte o adjetivo. Mas acho que ele anda ocupado.

Stan Lee na Vanity Fair.

Categories

Monthly Archives

Tradutor

Powered by Movable Type 5.13-en

Tradutor

Recent Comments

  • Fabio Negro: esse livro do Pinóquio pela Cia das Letrs tá com read more
  • Bastardo Inglório: É isso que você ensina? Bem, é obviamente algo extremamente read more
  • Maria Cristina: nada das ideologias restaram, já que os ditos governos socialistas read more
  • Gabriel Maranhão: Érico. Tem alguma data para o lançamento do volume 2 read more
  • Luwig: Taí uma comparação insuportável, essa do "melhor que" ou o read more
  • erico: Porco: pode variar de eu ler na mesma hora até read more
  • Eduardo Macarios: Érico, talvez você possa me ajudar. Como justifico para minha read more
  • Gustavo: As do Daniel Clowes são ótimas, inclusive "Wilson", q não read more
  • Jean: O vídeo tá espelhado pra 'nao violar copyright', parece duh read more
  • Porco: Quanto disso você consegue ler no mês e quanto normalmente read more

Recent Assets

  • zissouani.gif
  • willeisner.jpg
  • vovoverde.jpg
  • voceeminhamae.jpg
  • vidasgrandes.jpg
  • vertigoespecial.jpg
  • vertigo47.jpg
  • vertigo46.jpg
  • vertigo45.jpg
  • vertigo44.jpg

Find recent content on the main index or look in the archives to find all content.